BALZAC e suas ILUSÕES PERDIDAS.


Estou a procura de incentivo e inspiração. Há alguns dias, postei no meu blogue um texto que tinha dado como perdido, uma estória que estava desenvolvendo para o próximo livro (veja a estória aqui).
Um escritor perdido numa cidade na qual ele se familiariza com o ambiente, mas não com as pessoas- arredias acerca da exitência de livros- e num café, o escritor retira do seu bolso, um pocket, um pequeno livro. Em seu ritual de leitura, segura em uma de suas mãos um livro de Tchecov, na outra o cigarro e sobre a mesa o café…
A estória tenta se desenvolver nessa interação entre personagens ainda indefinidos, despercebidos, mas que ao passar do tempo, encontram suas devidas falas.
Aí, como que por acaso, um amigo, também escritor, falara de um filho de tipógrafo do interior que se aventura em Paris para fazer fama como escritor. As ilusões e decepções com a vida na capital também tornavam os anseios mais complicados e inatingíveis.
Esta estória está nas narrativas de Balzac que se intitulam ILUSÕES PERDIDAS. Ao revés, minha estória vai se subsidiar no contraponto da personagem principal da primeira parte OS DOIS POETAS. Assim, vou me deleitar com as estórias de Balzac.
Esta edição de capa dura tem tradução de Mário Quintana e Ernesto Pelanda é de 1981 da Victor CIVITA. Comprei num sebo tradicional de Brasília; antes apenas encontrei na CULTURA pelo preço de R$ 72,00 e no sebinho custava apenas R$14,00. No entanto, não interessa. Ter caído em minhas mãos essa única cópia traduzida por Mário Quintana, foi um estímulo real para continuar essa estória quase órfã.

Anúncios

Sobre Roberto Muniz Dias

Roberto Muniz Dias é piauiense radicado em Brasília há 10 anos, é romancista, contista, poeta, artista plástico e mestre em Literatura pela UNB (Universidade de Brasília). Também formado em Direito, integra a Comissão de Tolerância e Diversidade Sexual da 93a Subseção de Pinheiros da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional São Paulo. Foi premiado pela Fundação Monsenhor Chaves com menção honrosa pela obra “Adeus Aleto”. Publicou ainda “Um Buquê Improvisado”, “O Príncipe - O Mocinho ou o Herói podem ser Gays”; Errorragia: contos, crônicas e inseguranças; Urânios; A teia de Germano; Uma cama quebrada (peça de teatro); Trilogia do desejo (coletânea de romances) e recentemente foi premiado pela FCP (Fundação cultural do Pará com o texto teatral AS DIVINAS MÃOS DE ADAM) como melhor texto teatral. Lançou recentemente o livro EXPERIENTIA, coletânea de suas primeiras peças de teatro. www.robertomunizdias.com
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para BALZAC e suas ILUSÕES PERDIDAS.

  1. Essa edição é barata mesmo… faz parte daquelas coleções da Abril que aparecem nas bancas. Então na verdade vc pagou preço de novo no sebo, heheh.
    Ilusões Perdidas é um livro Lindo, sempre digo que é um dos meus livros favoritos, li pela primeira vez nesta mesmo edição antiga =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s