Mário Faustino

Este slideshow necessita de JavaScript.

A poesia intertextualizada de Mário Faustino tornava sua poesia um repositório de referências aos poetas gregos, inclusive com registros na língua grega. O contato com uma literatura diversificada permitia que ele criasse poemas de difícil acesso. Mas isso não tornava sua poesia menos deliciosa. O Homem e sua hora representa este rebuscamento poético influenciado por sua compulsão literária pelos clássicos. O livro foi publicado em 1955, divide-se em três partes: “Disjecta Membra” (do latim, membros dispersos), “Sete Sonetos de Amor e Morte” e “O Homem e Sua Hora”.

Mas o tema deste post é o outro lado de Mário Faustino: sua verve como crítico literário, como responsável por uma coluna no Suplemento Dominical do Jornal do Brasíl, na qual discutia a produção e a crítica literária. Em Mário Faustino De Anchieta aos Concretos, a organizadora Maria Eugenia Boaventura, faz um apanhado documental de todas as publicações do suplemento do Jornal do Brasil. Sob a epígrafe de Poesia-Experiência, Faustino construiu uma maneira própria de realizar a crítica literária. Pelas minhas leituras- por outras fontes- descobri que ele criticara até mesmo o trabalho de poetas consagrados como Manuel Bandeira; este em represália escreveu um poema indecoroso que deveras enfraqueceu ao debate. Mas Mário conseguiu se firmar como intelectual e crítico respeitável. O suplemento contemplava poetas renomados bem como os novos poetas, na coluna “Poeta Novo”

Neste livro, Boaventura faz uma organização das críticas obedecendo a um cronograma dos movimentos literários que se observaram no Brasil. Não escaparam de suas críticas as poesias do período colonial, entre os escritores representativos destaca-se José de Anchieta. Adentrou as poesias modernistas, revelando seu verdadeiro apreço pelas poesias de Cecília Meireles e João Cabral de Melo Neto. Embora fosse claro em suas depreciações, não media palavras para registrá-las. Passou então pela Geração de 45, a qual repudiou alguns trabalhos e estatizou acerca da falta de profissionalismo de alguns representantes desse período. Na coluna “Poetas Novos” deu espaço aos poetas desconhecidos, para os quais era entusiasta da honestidade existente neles. Quanto ao Concretismo, o qual anunciou como o acontecimento  necessário para livrar a Literatura do “marasmo discursivo sentimental”, abraçando com todas as forças as poesias de Décio Pignatari, Augusto e Haroldo de Campos.

Enfim, para aqueles – e não somente estes – que promovem a análise e critica literárias, a leitura deste compêndio histórico empreende um apanhado minucioso do trabalho de um jovem piauiense que soube bem- a seu favor a leitura interna de seus livros- apurar de forma lúcida as contribuições da poesia em sua época. A compilação da organizadora traz à tona a memória de um dos mais promissores críticos brasileiros.

Anúncios

Sobre Roberto Muniz Dias

Roberto Muniz Dias é piauiense radicado em Brasília há 10 anos, é romancista, contista, poeta, artista plástico e mestre em Literatura pela UNB (Universidade de Brasília). Também formado em Direito, integra a Comissão de Tolerância e Diversidade Sexual da 93a Subseção de Pinheiros da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional São Paulo. Foi premiado pela Fundação Monsenhor Chaves com menção honrosa pela obra “Adeus Aleto”. Publicou ainda “Um Buquê Improvisado”, “O Príncipe - O Mocinho ou o Herói podem ser Gays”; Errorragia: contos, crônicas e inseguranças; Urânios; A teia de Germano; Uma cama quebrada (peça de teatro); Trilogia do desejo (coletânea de romances) e recentemente foi premiado pela FCP (Fundação cultural do Pará com o texto teatral AS DIVINAS MÃOS DE ADAM) como melhor texto teatral. Lançou recentemente o livro EXPERIENTIA, coletânea de suas primeiras peças de teatro. www.robertomunizdias.com
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s